A minha Lista de blogues

sexta-feira, maio 30, 2008

SOLIDARIEDADE







“A partir do momento em que a consciência do “EU se torna realidade, as mudanças internas fazem-se com confiança no processo de desenvolvimento, agindo cautelosamente, embora sabendo que o crescimento não pode parar!
A solidariedade é um dos factores primordiais no avanço do Conhecimento e no sentido da Realização pessoal. A partilha é um acto sagrado e, como tal, tem de ser feita de modo a proporcionar bem-estar e provocar sentimentos que se manifestam em alegria que se expressa em palavras, gestos e acções. Quando nos sentimos bem é porque estamos a fazer o que está certo e, o que está certo significa uma boa ligação com as mais altas esferas. Na verdade, os Guias e os Mestres apontam-nos o Caminho e estão lá para nos ajudar, mas somos nós a desejar seguir por ele.”


Ao reler este pensamento, sinto acordar em mim a vontade de ser e estar, cada vez mais, em contacto com aqueles que gravitam no meu círculo de energia e com quem contacto física e mentalmente sempre que o apelo surge e a necessidade obriga. Os que passam pela minha vida, fazem parte de um processo de desenvolvimento individual e conjunto, sendo gratificante perceber que não estou só, mesmo quando as ausências se dão e os afastamentos se concretizam. O pensamento viaja pelo espaço sideral à velocidade da Luz e toca quem está disponível ou a precisar desse contacto. Surpreendo-me constantemente com o efeito que têm as concentrações que faço quando tento ajudar alguém à distância ou quero perceber melhor o que se passa com a minha existência, principalmente quando ela se encontra em suspenso. Quero dizer com isto que, às vezes, parece que não se passa nada e que o que faço aparenta inutilidade e inconsequência. Depois, aterro, perante a apresentação de factos demonstrativos de que as acções se reproduzem em resultados, por vezes inesperados e surpreendentes, com os pensamentos projectados a materializarem-se em manifestações que acordam a consciência e os sentimentos de gratidão e humildade. O corpo regista as informações e guarda-as para se apresentarem oportunamente, se lhe dermos um tempo e uma atenção. A alma busca a cura inserida neste corpo e capta a energia que lhe serve em cada circunstância ou a cada momento.
Confio nos Deuses que me assistem e me proporcionam tantas e tantas oportunidades de vida e de amor. Confirmo, aqui e agora, que sou uma privilegiada por poder viver a SOLIDARIEDADE num registo de amor incondicional!
A propósito, a minha amiga e companheira Aldina vai lançar o seu novo disco MULHERES AO ESPELHO” e os que a amam e admiram lá estarão, na Casa Fernando Pessoa, para saborear o que a sua voz tem para partilhar connosco uma vez mais. BEM HAJAS Aldina!!! É uma alegria ver-te crescer como pessoa e como artista (para que conste…).
Fiquem bem!

quinta-feira, maio 22, 2008

PACIFICAÇÃO




Como é difícil pacificar emoções!!!... Neste dia chuvoso de uma Primavera adiada, dei comigo a entrar no meu Ser mais profundo e a questionar as emoções que brotam a cada pensamento espontâneo. Procuro observá-las, com alguma distância, na esperança de usar algum pragmatismo na aceitação da minha condição humana. Por vezes, rejeito o que me vem à cabeça por não gostar do que espelha a minha Alma; não que me sinta capaz de estar acima de qualquer suspeita, de me rever no meu lado obscuro... Em sinceridade vos digo, aqui e agora, que as teorias são mais acessíveis do que as práticas e nem sempre consigo aceitar que, apesar de me considerarem uma pessoa forte e determinada, tenho o direito a fragilidades próprias de quem vive na matéria e está sujeita a confrontos, dúvidas e medos.
Estou a chegar a uma etapa da minha Vida em que posso olhar para trás e rever as minhas memórias com amor e reconhecimento de que fui cumprindo o meu Karma com a consciência e aceitação dos factos. Muito do que semeei deu os seus frutos e o que foi ficando pelo caminho também faz parte do meu processo de cura. O papel que represento na vida de algumas pessoas que me têm acompanhado e acompanham, está para além de mim e muito me tem surpreendido por me escapar a sua importância. Vou fluindo à medida dos acontecimentos e das relações pessoais; deixo-me levar, mesmo quando me questiono e me admiro com aquilo que passo aos outros.
Neste dia chuvoso de uma Primavera adiada, aproveito para pacificar as emoções que teimam em andar à deriva, obrigando-me a reflectir sem a carga de culpa que, normalmente, acompanha estes sentimentos, rejeitados por uma sociedade que teima em se assumir perfeita, mas que trás consigo o peso de uma cultura judaico cristã que continua a não perdoar fraquezas...
Neste dia chuvoso de uma Primavera adiada, vejo o Sol a espreitar por entre as nuvens e sinto o calor dessa luz que me faz vibrar na frequência de todos aqueles que pertencem a este Grupo de Almas que seguem o seu rumo e confiam nas ajudas e na orientação necessária ao cumprimento das missões atribuídas.
Fiquem bem!

segunda-feira, maio 12, 2008

OLHOS NOS OLHOS






Quando me concentro no meu Blog ou nas diferentes formas de comunicação actuais, dou comigo a pensar como é fácil comunicar com o universo que me rodeia! No entanto, também me fica a estranha sensação de estar a “falar” sozinha… Somos capazes de receber, instantaneamente, uma mensagem que vem do outro lado do mundo e, curiosamente, nem sempre falamos com os nossos vizinhos… Eu, por exemplo, acho fantástico os meios de comunicação modernos e a eles aderi de imediato com a curiosidade e o entusiasmo de uma criança, mas continuo a privilegiar o contacto directo, olhos nos olhos, pois não dispenso o sentir a presença do outro e a respectiva troca de energia que esse contacto proporciona.
É claro que as facilidades de comunicação por estes meios electrónicos nos permitem alguma reserva e algumas defesas, o que é perfeitamente legítimo e cómodo. Sabendo que, apesar de tudo, a energia posta nestes actos passa tanto quanto as palavras, não posso deixar de pensar que a comunicação verbal imprime sensações que não se podem transmitir de outro modo e que, sem o factor contacto, poderão ser interpretadas de forma aleatória. A escrita tem a sua própria força, dependendo da intenção colocada nesse gesto e projecta-se sem uma direcção específica, mesmo que a ideia básica tenha um determinado sentido. Os receptores são atingidos de acordo com a sua disponibilidade e capacidade de interpretação e não há retorno a não ser quando a necessidade de manifestação se apresenta e a comunicação se completa.
Estas linhas, que vão nascendo no meu papel imaginário, serão implantadas no meu “caderno” virtual para que cheguem sabe-se lá onde, para serem lidas sem eu saber por quem. Este tiro no escuro carregado de boas intenções, faz-me sentir em contacto com amigos reais e virtuais que me acompanham nesta viagem pela vida que é feita de experiências vividas até à exaustão. Felizmente, também, tenho muitas oportunidades de comunicar, olhos nos olhos, e é bom termos acesso a tão diversas formas de interagir com aqueles que pairam na nossa frequência e fazem parte do nosso processo de desenvolvimento pessoal e espiritual, de uma maneira ou de outra.
Fiquem bem!