A minha Lista de blogues

segunda-feira, junho 27, 2011



Conforme foi noticiado, realizou-se ontem o Dia Mundial do Yoga, organizado pela Confederação Portuguesa de Yoga. O seu Presidente teve a amabilidade de me convidar para entregar a estatueta representativa da homenagem que quiseram fazer ao Professor António Pedro, pioneiro do ensino do Yoga em Portugal. Curiosamente, a minha mãe foi uma das suas alunas, tendo sido através dela que fui conhecendo esta filosofia de vida que viria a ser marcante na minha própria vida.
Neste encontro tive ainda a alegria de ter como companhia a minha primeira professora de Yoga, a Professora Maria Helena de Freitas Branco, também já homenageada em 2007. Ainda hoje aplico os conhecimentos que ela me transmitiu quando comecei a dar aulas, por sua sugestão. A minha gratidão é imensa, pois a minha vida nunca mais foi a mesma a partir do momento em que me aventurei a partilhar este Conhecimento milenar.
É sempre de louvar quem se lembra daqueles que foram sementes tão importantes na descoberta e divulgação do Yoga que, em Portugal, deu os primeiros passos antes do 25 de Abril, época bem difícil para estas e outras matérias… Desbravar caminho implica persistência, grande amor à causa e acreditar no seu real valor como uma prática que ajuda ao desenvolvimento físico, mental e espiritual.
Bem hajam todos quantos continuam a acreditar que vale a pena lutar por um ideal.
Fiquem bem!

sábado, junho 18, 2011

VOAR

















Na história dos pássaros conta-se a liberdade de voar mais alto e mais longe, de encontro ao azul do céu, tomando o Sol que aquece ar para que possam elevar-se até ao infinito.


Na minha história, posso contar a vontade de SER e de ESTAR, mais alto e mais longe, ao encontro da Essência que me inspira e me alimenta para chegar aonde tenho de chegar…

Bom fim-de-semana. Fiquem bem!




sábado, junho 11, 2011

SEXO E ESPIRITUALIDADE


















A razão porque somos dependentes de alguém do outro sexo é porque ainda temos necessidade de aceder à energia sexual oposta. Podemos utilizá-la como fonte interna pois ela é, ao mesmo tempo, masculina e feminina, eventualmente, abrindo-nos a ela. O processo de integração em que estamos inseridos, leva o seu tempo e se nos ligarmos prematuramente a uma fonte humana para obtermos a nossa energia masculina ou feminina, desligamo-nos da fonte universal.
Devido à educação competitiva entre pais e filhos, não foi dada a nenhum de nós a oportunidade de resolver correctamente a integração do sexo oposto. Estamos todos bloqueados a esse nível de evolução e continuamos a olhar para a questão da energia sexual como algo exterior a nós e a projectá-la na pessoa que achamos ser a ideal e a quem julgamos poder possuir sexualmente.
Quando começamos a evoluir conscientemente, começamos, naturalmente, a receber energia do sexo oposto que emana do universo. Podemos ter as nossas histórias amorosas, mas primeiro temos de completar o círculo em nós próprios e por nós próprios. Temos de estabilizar o canal que nos liga ao universo e, uma vez feita, nunca mais ficaremos com tendência a voltar ao mesmo sistema. Nessa altura é possível aceder a relacionamentos mais elevados e manter ligações amorosas com qualquer pessoa porque, na realidade, criámos uma super-pessoa, sem nos desviarmos do nosso processo evolutivo.
É preciso que aprendamos a ter relações com pessoas que se abram totalmente, sem segundas intenções, estabelecendo um contacto que permita satisfazer ambas as partes sem co-dependência, ou seja em liberdade absoluta. Todos somos algo dependentes uns dos outros, mas não de forma doentia. A necessidade de partilha é um facto a ter em consideração, sempre dentro da perspectiva de bem-estar para os envolvidos na acção.
Fiquem bem!
OM SHANTI